|

poestÉticaos

Adeus ao método.
Adeus ao impermeável.
Adeus ao absoluto.
adeus ao imutável.
Adeus à filiação.
Adeus à consequência.
Adeus à centralidade.

Cada um tem seu jeito de estragar a poética.
Cada encontro, um devir-pororoca.

A deus, um apre(e)nder
A nós, um contagiar
A mim, um ressoar
Ao vórtex, uma vertigem
À linha, uma precisão
À expressão, um sair ainda mais de si
À modulação, uma gargalhada
Ao espaço-tempo, aqui e agora
Ao todo, caos.

Só há boa-nova a partir do impensável.
Só há liberdade, se alegria.

Vidapreguiçacoexistência
foguear.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.